-
 
PortalInícioRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Heishi Araki

Ir em baixo 
AutorMensagem
Heishi Araki
Yukiyama [Beta Tester]
Yukiyama [Beta Tester]
avatar

Mensagens : 119
Data de inscrição : 02/10/2018

Ficha do personagem
Raça: Demônio
Classe: Assassino
Nível Nível: 3

MensagemAssunto: Heishi Araki   2/10/2018, 01:12

O PERSONAGEM


Nome: HEISHI ARAKI (Nome verdadeiro Atrox Rufus)
Idade: 15 anos
Sexo: MASCULINO

Ocupação: Aluno do 1º ano

Avatar Utilizado: 707 / Seven (Mystic Messenger)

Aparência: Araki possui olhos dourados, puxado pro alaranjado, e o cabelo vermelho, curto e geralmente bagunçado. Seu corpo é bastante comum para um rapaz de sua idade, com 175 cm de altura, pesando 69 kg e seus músculos são pouco salientes, nada muito definido, o que não condiz em nada com a força que tem. Possui marcas e cicatrizes pelo corpo, principalmente nas costas, derivadas dos vários treinos pesados dados por seu pai antes de ser expulso. Odeia essas marcas por associá-las a seu pai, por isso também não gosta de mostrá-las, então dificilmente será visto sem camisa. Araki geralmente usa camisetas simples, calça jeans escura e sua jaqueta preta com detalhes alaranjados. Usa óculos com aro listrado laranja e preto, e estará sempre com seu headphone pendurado no pescoço depois que conseguir comprá-lo in-game (no início ele só tem as roupas do corpo -s).


Personalidade: Apesar de sua raça, que normalmente tem aspecto de encrenqueira e cruel, Araki é um rapaz bem calmo, gentil e inteligente que apenas quer viver sua vida de forma tranquila. Na maior parte do tempo, Araki exibe uma personalidade despreocupada, extrovertida e divertido até, mas nunca chegou a fazer amigos, pela rotina pesada que tinha. Por nunca ter saído para fora da sua casa, não conhece muitas coisas sobre outras criaturas, mesmo tendo sempre lido sobre eles, podendo muitas vezes ter momentos em que não entenda do que estão falando, como gírias ou coisas que estão na moda entre os jovens de sua idade, tendo bastante o que aprender ainda. Apesar de sua personalidade pacífica e de geralmente evitar confusão, ele ainda é um Demônio. Se em alguma situação ele ficar com raiva, Araki vai mostrar o lado assustador da criatura originalmente maligna que ele é. Gosta de passar seu tempo livre ouvindo música em seu headphone (objeto que está sempre consigo) ou lendo sobre qualquer assunto, então muito facilmente será encontrado com algum livro em mãos.


HABILIDADES E ATRIBUTOS:


Raça: DEMÔNIO
Classe: ASSASSINO
Habilidade Inicial: MAESTRIA COM LÂMINAS


HP: 10
Ataque: 16 (2)
Defesa: 14
Ataque Mágico: 5
Defesa Mágica: 9
Destreza: 17



Biografia


Rufus é o caçula de cinco filhos de uma família muito tradicional de demônios, que vivia em uma casa enorme e longe da cidade. Desde sempre eles tiveram uma criação extremamente rígida, regrada, e nunca saíam para além dos muros da propriedade. Educados exclusivamente em casa, eram treinados duramente por seu pai todos os dias, pois um verdadeiro demônio deveria ser capaz de subjugar qualquer um que lhe desafiasse, ser fraco e benevolente era inaceitável. Se misturar com outros seres não era para eles, demônios deveriam conviver apenas com outros demônios. Na concepção da família, demônios eram superiores, mais poderosos que todos os outros e deveriam se orgulhar de terem nascido com tamanho poder.

Como tal, seus irmãos todos sempre se mostraram muito competitivos e buscavam a força extrema, chegavam a ser cruéis, brutos, ardilosos, mesquinhos, tudo com o ideal de se tornarem sempre melhores e mais fortes. Mas Rufus era diferente, sempre um garoto tranquilo, ele nunca gostou dessa competição toda, achava totalmente desnecessário buscar tanta força. Ele queria apenas viver de uma forma tranquila e pacífica, poder ter amigos e se divertir como qualquer criança comum. Nem parecia um descendente de uma criatura que geralmente é cruel, como os demônios, não se encaixava no meio em que vivia. O ruivo era muito forte, sim, no mesmo nível dos irmãos, mas seu diferencial era sua grande inteligência e capacidade de raciocínio, e isso o levou a estudar muito, ler muito sobre tudo o que lhe rodeava, inclusive sobre os seres humanos e outras caças. Tinha um especial interesse sobre criaturas e culturas diferentes, pesquisava muito sobre o mundo em que viviam, mas tudo que conseguia eram informações supérfulas sobre seu comportamento e atitudes. E mesmo quando se deparava com os grandes filósofos e suas teorias, acabava apenas com um conhecimento muito superficial, pois não tinha experiências ou vivências reais com o mundo e outras pessoas, e isso o deixava ainda mais curioso. Lia várias lendas também, achando muito interessante a forma com que os humanos narravam todo tipo de eventos e criaturas sobrenaturais.

Mas seu pai, nunca gostou dessa curiosidade toda. Por que um descendente de demônio queria tanto saber sobre algo que não fosse sobre demônios. Qualquer outro tipo de criatura inferior não merecia o mínimo de atenção, era perda de tempo conhecê-los, não tinha motivos para alguém como ele se relacionar com seres tão insignificantes. Resolveu trancar a biblioteca, também nunca tiveram nenhum tipo de aparelho eletrônico, muito menos internet, tais coisas, na visão dele, só trariam mais curiosidade aos filhos, conhecimento gerava rebeldia e Rufus era a maior prova disso. Mas o ruivo não desistiu, depois de alguns dias conseguiu criar uma passagem secreta e entrar discretamente na biblioteca. Ele passou a noite em suas pesquisas e estava tão concentrado que se esqueceu do treino na manhã seguinte, não comparecendo. O pai caçou o rapaz até encontrá-lo, escondido, em meio a uma pilha de livros. Já tinha passado dos limites! Seu filho era uma vergonha e uma desonra sem tamanho, pois estava deixando os deveres da família de lado! Arrastou-o para fora e o castigou duramente, sem pena nenhuma. Não admitiria que seguisse fazendo tal afronta. Depois de quase matar o rapaz de tanto bater nele, entrou em casa e ateou fogo em todos os livros sobre outras raças. Apenas informações sobre demônios restaram naquela casa. Voltou para fora, Rufus ainda estava imóvel no chão em razão dos graves ferimentos em todo seu corpo. Acabou por proferir sua última decisão.

- Você é uma desgraça! Se prefere tanto assim todos esses ratos imundos a tentar ser um demônio poderoso que seja! Mas a partir de agora você não é mais meu filho! É intolerável, humilhante ter criado um fracote insignificante na minha família. VÁ EMBORA! Saia daqui se arrastando como o verme que é, e viva o resto de sua miserável vida com esses insetos que tanto gosta.

Depois o homem simplesmente virou as costas e saiu dali, deixando o rapaz no chão, mal podendo se mover de tantos ferimentos que tinha. Apesar de tudo, Rufus não se importou em ser expulso da família, eles nunca foram ligados por nenhum tipo de laço além do sanguíneo, mal falava com seus irmãos ou seu pai. Era cada um na sua, se concentrando apenas em suas vidas e seus treinos, almejando sempre mais força. Se eles teriam que competir, lutando entre si, para que se importar com os outros? Qualquer sentimento positivo só atrapalhava. Finalmente poderia sair e conhecer o mundo, outras pessoas, outras formas de vida! Então mesmo tão ferido, Rufus conseguiu deixar aquele lugar, se arrastando como pode. Mas ainda tinha um problema… mesmo lendo tantas coisas, não sabia exatamente como viver e conviver com qualquer outro, teria que aprender tudo na prática.

Depois de vários dias e com muito esforço chegou a uma grande e linda cidade, uma tal de Kazugaoka, com tantas luzes, tantas pessoas diferentes, tantas coisinhas e outras coisas maiores que nunca havia visto e muito menos sabia o nome. Alí se deu conta do quanto sua família o mantinha preso e isolado, do quanto o impediam de conhecer as coisas mais básicas do mundo moderno. Tudo “pela honra e superioridade dos demônios”. Seu universo que era minúsculo sofreu um big bang. Estava maravilhado e extasiado com tudo o que via, sentia, ouvia, cheirava… nem saía do lugar.

A princípio estava feliz e observando cada canto e cada detalhe específico que nunca antes tinha visto, lugares com coisas incríveis, pessoas das mais diversas, cheiros dos mais distintos, comidas das mais intrínsecas. E foi na parte das comidas que ele notou uma coisa meio estranha, mais especificamente numa barraquinha onde um tiozinho estava distribuindo uma que lhe atraiu os olhos e marejou sua boca, um estranho objeto cumprido com algo vermelho meio amarelado, também esticado, no centro. Imitando a pessoa que acabara de levar sua amostra, parte já comida, pediu um “Rot Doge” e o recebeu, comeu uma mordida e, ao começar a sair andando… Bem… Já dá pra imaginar o desfecho.

Acontece que Rufus não tinha dinheiro, nem um tostão sequer no bolso, o que, por muitos dias, dificultou muito sua vida, descobrindo da pior forma a humilhação que é ter de pedir comida à pessoas, algumas delas mal humoradas e que têm certeza de que você poderia estar fazendo algo melhor com sua vida, com “esse corpo saudável”, mas que ao mesmo tempo nem se dão ao trabalho de ter 5 minutos de conversa para saber sua situação e o por que de estar ali daquele jeito.

E foi então, depois de mais de um mês, que um senhor de aparente idade média chamou sua atenção, por parecer ser exatamente o oposto dessas pessoas que só o sabiam julgar, mesmo que estendessem suas mãos imundas para dar-lhe algumas migalhas. O senhor, com o nome de Soga Riou, se apresentou prontamente, logo em seguida perguntando o seu nome. “Atro...”, iniciou a resposta o pequeno garoto, já com um sentimento negativo indescritível em seu âmago, como se uma corrente invisível ligasse seu coração diretamente à mansão que passou sua infância, mesmo tendo sido expulso, ainda sentia essa conexão da forma mais negativa que nunca tinha sentido antes.

“Não, eu… Não tenho mais… Um nome…” Respondeu relutantemente.

“Hm… Então que tal… Toperu Dido? Menora Bandonado? Heishi Araki? Senka Minio, Somen Jigou? HAHAHAHA, não, garoto, desculpa, hm… deixa eu pensar um bom nome...”

“Não! Espera, volta! Esse de antes parece bom!”

“Senka Minio? Não… Sério… Esse melhor n..”

“Esse não! Araki… Heishi Araki. Esse eu gostei!”

“Ah, esse, tá, ok… Tem certeza que não prefere Toperu Dido? Tem uma aleatoriedade da hora”

“Não. Heishi Araki é meu novo nome agora.”

Depois de escolher a primeira boa opção que tinha aparecido na mente de Soga Riou, que parecia carregar um sentimento maior mesmo não sabendo o motivo de tal, se sentiu mais animado. Por algumas semanas Riou ensinou sobre o mundo moderno para o, agora, Heishi Araki - que acabou por adotar esse nome, se desligando totalmente de sua família e dos poucos mas horríveis dias de sofrimento - e até o matriculou na academia Yukiyama para dar a chance do rapaz realizar seu “pequeno” sonho de fazer parte da sociedade e viver como uma pessoa normal.


INFORMAÇÕES EXTRAS

Afiliação: Academia Yukiyama
Residência: Quarto 270 dos dormitórios de Yukiyama.
Alcunha:
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Gakuen RivalS
Criador e Administrador
Criador e Administrador
avatar

Mensagens : 600
Data de inscrição : 03/08/2017

MensagemAssunto: Re: Heishi Araki   3/10/2018, 21:55

Ficha aceita e ponta para postagem.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://gakuenrivals.forumeiros.com
 
Heishi Araki
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
- :: Início :: Fichas de Personagens-
Ir para: